Notícias do setor

Uma coleção de roupas diferentes para cada cidade, de acordo com o que é procurado: a H&M testa a produção sob demanda em Berlim

A H&M estabeleceu um novo desafio e é teste de produção sob demanda. Ele está fazendo isso em Berlim, onde acaba de lançar uma coleção de roupas com base em dados coletados sobre o padrão dos consumidores da cidade.

Coletado de bolachas, a cadeia sueca estudou para sua elaboração uma série de dados muito específicos referindo-se a silhuetas e cores preferidas, bem como materiais e impressões para atender aos gostos dos consumidores através de suas pesquisas on-line.

O resultado é uma coleção que foi colocada à venda em 16 de maio em todas as lojas da H&M na capital alemã e nas quais predominam macacões, capas de chuva, saias, tops, fatos de treino e calças de ciclismo.

Este modelo de produção não seria apenas favorável no momento da evitar superprodução e reduzir os custos de transporte, mas pelas mesmas razões, também seria benéfico para a sustentabilidade e o meio ambiente.

Heléne Riihonen, desenvolvedora de negócios do laboratório H&M, disse em comunicado que, com essas coleções, a empresa quer focar "exclusivamente no consumidor e ofereça-lhes uma coleção local relevante"Na Trendencias, entramos em contato com a H&M, sem ter conseguido obter mais informações sobre o projeto e seus planos futuros.

Outra marca de roupas que também anunciou seu desejo de aplicar o big data para os gostos do consumidor de cada cidade é a Nike. Embora, desta vez, os dados não seria usado ao criar novas coleções mas na hora de distribuir as roupas das existentes.

Esse compromisso com a sustentabilidade do gigante sueco se soma ao já iniciado com a transparência de seus linha de produção que, desde o mês passado, é possível conhecer os detalhes por meio de penhor através de seu site.